A princesa Charlene, casada desde a última sexta-feira (1) com o príncipe Albert de Mônaco, teria tentado fugir do casamento real três vezes, segundo nota do jornal inglês "Daily Mail". De acordo com a publicação, a primeira tentativa da ex-nadadora da África do Sul teria sido em maio desde ano, ao viajar para Paris, para comprar o vestido de noiva. Segundo uma fonte do jornal francês "Le Journal du Dimanche", a nova princesa teria tentado refúgio na embaixada da capital francesa.

A segunda tentativa teria sido durante a corrida de F1 de Mônaco, no final de maio. Na última semana, dias antes dos três dias de festa do casamento real, Charlene tentou escapar para a África do Sul com uma passagem apenas de ida. A terceira tentativa frustrada foi interrompida por funcionários da comitiva do príncipe Albert, que confiscaram o passaporte da futura princesa, e a persuadiram a continuar com o casamento. "Muitas fontes confirmam que houve um acordo formal entre Charlene e o príncipe", disse uma fonte do "Le Journal du Dimanche".

A realeza acreditou que o casamento real poderia ofuscar os escândalos protagonizados pelo príncipe, primeiro na linha de sucessão ao trono de Mônaco. As tentativas de fuga de Charlene aconteceram após a princesa descobrir um terceiro filho ilegítimo do noivo, fruto de uma recente relação extraconjugal de Albert. Segundo a imprensa internacional, a criança ainda não teria nascido e os rumores de que existiriam um quarto filho foram divulgados.

O príncipe Albert possui dois filhos ilegítimos, que por lei não podem fazer parte da linha de sucessão ao trono. Em 2003, Albert assumiu a paternidade de Alexander após inúmeros testes de DNA terem sido realizados. O menino é fruto de uma rápida relação do príncipe com Nicole Coste, uma comissária de bordo nascida em Togo, hoje, cidadã francesa.

A primeira filha de Albert é Jazmin, hoje com 19 anos de idade. A mãe, a americana Tamara Rotolo, agente imobiliária, também lutou na justiça pelo reconhecimento da paternidade. Detalhes sobre o possível terceiro filho do príncipe não foram divulgados.

De acordo com o "Le Journal du Dimanche", se um acordo realmente foi feito entre Charlene e a corte de Mônaco, a troca seria um filho legítimo de Albert por um estilo de vida multimilionário. Durante a cerimônia religiosa do casamento real, as lágrimas de Charlene comoveram a imprensa internacional, que destacou, em contraste, o olhar impassível de Albert.