Em 1991, com o fim da novela das oito “Meu bem meu mal”, Lídia Brondi decidiu recomeçar. Hoje, aos 52 anos, ela vive longe dos holofotes em São Paulo. Formada em Psicologia, atende pacientes num consultório próprio. Além disso, a ex-atriz dá consultas gratuitas dentro do Programa de Atendimento a Vítimas de Violência e Estresse (Prove). Lídia atende pessoas que sofreram algum tipo de violência urbana. Sua vida atual é dedicada ao novo trabalho, com longas jornadas — dificilmente ela é encontrada em casa antes das 22h.
No bairro nobre do Itaim, onde vive ao lado do marido, o ator Cássio Gabus Mendes (o Kleber de “Insensato coração”), ela não é mais reconhecida nas ruas. Com eles, também vive Isadora, única filha da atriz, de seu casamento com o diretor Ricardo Waddington. 


Em 2002, mais de dez anos depois de ter abandonado a televisão, Lídia Brondi foi aprovadada no vestibular de Psicologia da PUC de São Paulo. 


A atriz voltou a ser lembrada com o sucesso da reprise da novela “Vale tudo” no Canal Viva. Na trama, exibida pela primeira vez em 1988, ela estava no auge da carreira, vivendo a estilosa jornalista Solange. Lídia não tem conseguido acompanhar todos os dias a trama, mas faz questão de gravar todos os capítulos em DVD.


Sua última aparição pública foi no carnaval de 2002, quando acompanhou Cássio num dos camarotes do Sambódromo. Desde então, Lídia não tinha sido mais vista.
Quando largou a TV, ainda com o status de protagonista na Globo, a ex-atriz sofria de Síndrome do Pânico e foi procurar tratamento, abrindo mão de uma carreira de sucesso. A decisão foi respeitada pela família e pelos amigos mais próximos.
Lídia Brondi, cujo talento poderá ser visto também na reprise da novela “Roque Santeiro”, a partir do dia 18, não dá mais entrevistas nem fala sobre sua antiga carreira.