Cachorro paraplégico é adotado pela soldado da Polícia Militar Gecyanna Araújo, em Vila Velha (ES)



Um cachorro paraplégico e abandonado que se locomovia com uma espécie de equipamento improvisado feito com restos de brinquedos agora tem um lar no Espírito Santo. Ele foi adotado pela soldado Gecyanna Araújo, após ter chamado sua atenção durante uma ronda de rotina em Vila Velha (7 km de Vitória).

“Eu vi aquele bichinho, me abaixei, ele se aproximou e deu um ‘cheiro’ no meu nariz, foi como se me desse um beijinho”, contou Grecyanna. Ela contou que depois de avistar o cachorro utilizando o estranho equipamento percebeu que ele não mexia as patas traseiras.
Segundo o comerciante Ary Boudrini, do bairro Jardim Colorado, em Vila Velha, que alimentava o animal e chegou até a pagar o seu tratamento veterinário, o animal ficou com as patas paralisadas após uma briga entre cachorros.

O cachorro foi encontrado pela soldado com uma ferida na barriga e outra na perna, mas, agora, já está com as feridas praticamente curadas. “Ele foi medicado com remédio de verme, a veterinária disse que ele tinha muitos. Agora ele dorme em uma caminha igual aqueles sofazinhos para criança que fica ao lado da minha cama.”

Batizado de Skely, em homenagem a um cantor de reggae que também possui deficiência, o cachorro tem a coluna quebrada, mas não vai mais precisar andar de equipamento improvisado, disse a soldado.

Um empresário que teve conhecimento da história já ligou pedindo as medidas de Skely para doar uma cadeira adaptada. “Foi uma alegria muito grande. Em cinco dias o equipamento chega, estamos muito felizes”, disse ela.

A soldado tem histórico na adoção de animais. Ela contou que Skely agora vive com Susan e Tiquinho (que não possui uma pata), ambos adotados. “Aliás, agora Skely é Skely Ricardinho porque o senhor Ary, que tomava conta dele, me contou que o nome do cachorro era Ricardinho em homenagem a um cliente do bar. Skely tem o mesmo bigodinho que ele”, disse a soldado.